Cannabis: vendas recordes e mercado global em expansão

Consumo de maconha e produtos de cannabis legalizados cresceu na pandemia e empresas se multiplicam no setor, a partir da flexibilização em diversos países.

A venda legal de maconha nos Estados Unidos teve recorde em 2020. Atingiu US$ 17,5 bilhões, aumento de 46% em relação a 2019. E as perspectivas são otimistas: o tamanho do mercado legal global de cannabis deve chegar a US$ 91,5 bilhões em 2028, segundo um novo relatório da Grand View Research.

A maior parte do crescimento das vendas veio dos mercados de uso adulto de maconha. Ao mesmo tempo, o escopo de aplicação da cannabis medicinal tem ampliado. E o que se vê é uma demanda cada vez maior por produtos de cannabis sativa para tratamento de várias doenças e problemas crônicos, de insônia e dores musculares a doença de Parkinson, Alzheimer, artrite, câncer, depressão, ansiedade, epilepsia e várias outras condições neurológicas.

Robô da Bloom Automation remove folhas da planta de cannabis sativa com delicadeza. Foto: Reprodução/Bloom Automation

Aumento do consumo e legalização da maconha no mundo

A flexibilização em escala global tem sido contínua. Por consequência, as pessoas vão ficando mais confortáveis com o tema conforme o mercado ganha corpo.

Nos Estados Unidos, um dos mercados de cannabis mais aquecidos, 14 estados permitem o uso adulto e 36 estados liberaram o consumo por razões médicas.

Mas se dependesse da maioria da população, tudo já estaria legalizado.

Pesquisa da Pew Research aponta que 67% dos norte-americanos acreditam que o uso da maconha deve ser legalizado. Isso representa o dobro do percentual registrado em 2000. À época, 31% dos entrevistados defenderam a legalização da maconha.

Canadá e Uruguai também deram um passo adiante e legalizaram o uso recreativo da cannabis.

Na Alemanha, o novo governo de coalizão promete também legalizar a maconha recreativa. Seria o segundo país europeu a adotar tal medida, depois de Luxemburgo. E pode se tornar o maior mercado legal de cannabis - a população da Alemanha é de aproximadamente 83 milhões de pessoas.

Novas oportunidades de negócios

A partir do momento em que a maconha e os derivados da cannabis produzidos em determinado país ingressam no mercado legal, o valor fica mais competitivo, o que também estimula a demanda.

A legalização da maconha na Alemanha impulsionaria o mercado europeu já em expansão. Até 2025, a receita anual deve ultrapassar os 3 bilhões de euros. Também vai trazer receitas fiscais anuais ao governo alemão, além de economia de custos e criação de novos postos de trabalho.

Esse cenário consiste em um desenvolvimento positivo dos mercados regionais. Muitas empresas que apostam na maconha e lidam com seu obscuro status legal têm se beneficiado com as flexibilizações.

Com isso, muitos investidores estão interessados em ações de cannabis e nas oportunidades de investimento que surgem com a legalização.

Empresas de destaque na indústria da maconha e impacto da tecnologia

Olhando além da distribuição e da venda de maconha medicinal e recreativa, o mercado da maconha tem muita pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico.

Inteligência artificial, machine learning, automação e até blockchain possuem cada vez mais aplicações em relação a maconha.

Entre as maiores empresas da indústria da maconha estão:

Bloom Automation

Constrói robôs e equipamentos de automação que aparam pés de maconha e processam a cannabis. Eles são treinados com algoritmos, ou seja, machine learning, para fazer o manejo da planta, como, por exemplo, cortar as folhas sem danificá-la, deixando somente as flores da maconha.

Canopy Growth Corp. ($CGC)

Grupo de 21 empresas que desenvolvem e vendem diversos produtos à base de maconha e cânhamo para fins recreativos e médicos. A sede do grupo é no Canadá.

Cronos Group Inc. ($CRON)

Outro grupo canadense. Oferece plataformas de produção e distribuição de maconha medicinal, além de cultivar óleo de cannabis.

Tilray Inc. ($TLRY)

Também sediada no Canadá, com operações globais. Faz pesquisa, cultivo e distribuição de cannabis. Vende diversos produtos, alimentos à base de maconha e bebidas alcoólicas - estão investindo na compra de destilarias.

MTrac

Desenvolveu a plataforma de pagamentos "Marijuana" e promete resolver os gargalos bancários do setor.

Eaze

Trabalha com distribuição de maconha. Avaliada em US$ 300 milhões. Anunciou recentemente a criação de uma plataforma para enviar produtos de CBD para 41 estados dos EUA.

Criptomoedas para maconha

Nos Estados Unidos, transações bancárias de empresas e operadores que vendem ou distribuem maconha são proibidas. Isso levou ao surgimento de moedas virtuais específicas para cannabis. Foi uma forma de preencher a lacuna de um mercado que já movimenta milhões.

Entrega de maconha por Uber

Em uma entrevista na CNBC, o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, disse que a empresa poderia começar a oferecer entregas de cannabis assim que o serviço fosse permitido pelas regulações federais norte-americanas.

Tem muita fumaça ainda nesse mercado que precisa ser dissipada para que mais empresas e iniciativas decolem. O que se pode ver é uma evolução consistente em uma indústria que parece só depender de um sopro maior de flexibilização para expandir.

-

DISCLAIMER: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.