Saiba por que algumas empresas não pagam dividendos nos EUA

Companhias como Google, Amazon e Tesla são algumas gigantes que não pagam dividendos aos acionistas. Veja o porquê

Neste artigo:

- As empresas que não pagam dividendos;
- $GOOGL, $GOOG, $AMZN, $META, $TSLA, $BRK.A, $BRK.B.

O que empresas como Google ($GOOGL e $GOOG), Amazon ($AMZN), Meta ($META), Tesla ($TSLA) e Berkshire Hathaway ($BRK.A e $BRK.B) têm em comum, além de serem empresas com grande participação nas carteiras dos investidores da comunidade Sproutfi e serem gigantes em seus segmentos? Além dos bilhões de dólares em valor de mercado, está o fato de elas não serem pagadoras de dividendos.

O fato dessas empresas não estarem entre as pagadoras de dividendos pode parecer chocante. Afinal, tratam-se de empresas muito conhecidas em seus ramos de atuação, com poder financeiro e com peso dentro de índices como o S&P 500. Mas há, sim, uma justificativa.

Neste artigo vamos explicar por que algumas empresas não pagam dividendos no mercado norte-americano.

Por que algumas empresas não pagam dividendos?

Resposta curta: porque utilizam o lucro para reinvestir no negócio e continuar crescendo. Mas não é só isso:
Para começo de conversa: no Estados Unidos não é obrigatório que uma empresa distribua dividendos aos acionistas. Quando isso acontece, inclusive, há a incidência de 30% em tributos. No Brasil, por outro lado, a legislação que fala sobre Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/1976) determina distribuição de, pelo menos, 25% do lucro sob a forma de dividendos – que têm isenção de impostos.

Por isso, a resposta mais honesta ao motivo de algumas empresas americanas não pagarem dividendos é "depende". Isso porque cada companhia tem uma linha de atuação sobre o que fazer com os lucros. E porque, nos Estados Unidos, há diversas destinações possíveis dentro da lei, desde a aquisição de novas empresas, pagamento de dívidas, recompra de ações e, por fim, reinvestir no próprio negócio – normalmente, esse é o caminho escolhido para não remunerar os acionistas.

Isso faz com que boa parte das maiores empresas americanas tenha dividend yield nos últimos anos de 0%. Um levantamento da Economatica divulgado em 2020 revelou que, das 25 maiores empresas dos EUA, oito não pagavam dividendos há 10 anos ou desde o IPO. É justamente o caso de Google, Meta, Tesla, Amazon, Berkshire Hathaway e outras como Netflix ($NFLX), Adobe ($ADBE) e PayPal ($PYPL).

Ou seja: já que não há a obrigação de remunerar o investidor, essas empresas preferem investir nelas mesmas para seguir crescendo.

Por que a Berkshire Hathaway não paga dividendos?

Essa estratégia é muito nítida no caso da Berkshire Hathaway. O conglomerado do bilionário Warren Buffett não pagam dividendos aos acionistas desde 1967. A postura de Buffett é reinvestir em outros negócios e ações para elevar o valor da Berkshire.

"Vários acionistas da Berkshire – incluindo alguns dos meus bons amigos – gostariam que a Berkshire pagasse dividendo em dinheiro. Intriga-os que gostamos dos dividendos que recebemos da maioria das ações que a Berkshire possui, mas não pagamos nada nós mesmos", admitiu Buffett em carta dirigida aos acionistas em 2012.

"Uma empresa lucrativa pode alocar seus ganhos de várias maneiras. A administração da empresa deve primeiro examinar as possibilidades de reinvestimento oferecidas pelo seu negócio atual – projetos para tornar-se mais eficiente, expandir territorialmente, estender e melhorar as linhas de produtos ou de outra forma ampliar a economia fosso que separa a empresa de seus concorrentes", justificou o chefão da Berkshire Hathaway.

Por que as empresas de tecnologia não pagam dividendos?

Aos olhos do mercado, empresas de tecnologia, em sua maioria, são empresas que estão em estágio de crescimento. Como os negócios são dinâmicos e seguem se desenvolvendo a todo momento, players como Google, Meta, Tesla e Amazon preferem reinvestir o lucro no próprio negócio.

Essa escolha faz com que as companhias tenham mais "poder de fogo" para continuarem tendo tração. Apple ($AAPL) e Microsoft ($MSFT) são exceções à regra. Ambas têm dividend yield menor do que 1% – 0,54% e 0,86%, respectivamente mas pagam dividendos aos acionistas.

Como a legislação norte-americana desobriga as empresas a distribuírem o lucro, essa prática fica quase que restrita a companhias ultra consolidadas. As que conseguem aumentar o valor distribuído entram para um "clube" conhecido como Dividend Aristocrats ("dividendos aristocratas").