O que são ETFs de IPO?

Conheça os fundos que investem em empresas que abriram capital recentemente.

Se você acompanha os conteúdos da SproutFi, já deve estar por dentro da sopa de letrinhas do mercado financeiro, dominando algumas das várias siglas desse universo: já sabe o que é ETF e também o que é um IPO.

Mas… e um ETF de IPO? Pois é, tem até isso!

O que são ETFs de IPO?

Os ETFs de IPO são fundos que investem em empresas que recentemente abriram capital – ou seja, fizeram a sua oferta inicial pública de ações na Bolsa de Valores.

As empresas abrem capital pela possibilidade de captar recursos dos investidores para financiar seus projetos de investimento, aumentando a sua competitividade e o seu potencial de crescimento.

Ao comprar cotas de um ETF de IPO, você investe de uma só vez e por meio de um único fundo, em várias companhias que debutaram no mercado acionário com um único fundo. Por isso, costuma ser uma forma acessível de investir em um número maior de empresas com esse perfil.

É um mercado promissor, segundo os especialistas, já que temos vivido um boom de IPOs nos últimos tempos. Só no ano passado, mais de mil empresas abriram capital nos Estados Unidos, um recorde.

Mas, atenção: apesar de os ETFs de IPO buscarem capitalizar o crescimento de novas empresas, esse tipo de investimento não oferece acesso às ações pré-IPO.

Quem tiver interesse em adquirir diretamente ações da empresa que vai abrir capital precisa estar cadastrado numa corretora de valores – que esteja participando do IPO – e fazer a reserva no período determinado.

Vantagens e riscos de ETFs de IPO

Investir no IPO de uma empresa é uma oportunidade de capitalizar o crescimento desde o estágio inicial da companhia. Muitos investidores gostam de participar de IPOs, porque o preço inicial das ações geralmente é um bom valor.

Pequenas e novas empresas têm mais espaço para um crescimento exponencial, o que pode ajudar o investidor a turbinar seus investimentos mais do que em grandes empresas, que têm trajetórias de crescimento lentas – embora constantes.

Vamos dar um exemplo: imagina se você tivesse investido na Tesla ($TSLA), que agora está bombando, logo quando a empresa fez o IPO, em 2010. Nos primeiros dez anos de capital aberto da companhia, ela cresceu mais de 4.000%. Nesse mesmo período, o S&P 500, principal índice americano de ações – e que na época não incluía a Tesla –, teve uma valorização de 187%.

Se o potencial de crescimento é alto, por outro lado, o risco é diretamente proporcional. Investir em IPO pode ser mais arriscado do que comprar ações de companhias mais estabelecidas. Isso porque, muitas vezes, empresas que abrem capital ainda são iniciantes e ainda buscam consolidação de mercado – o que pode gerar bastante volatilidade nos preços.

Uma pesquisa da bolsa americana Nasdaq mostra bem essa relação risco x retorno. Segundo o levantamento, depois de três anos do IPO, dois terços das empresas têm retornos abaixo dos principais índices mercado (são as linhas em tons de vermelho no gráfico abaixo).

Fonte: Nasdaq

Um terço das companhias fica acima da média do mercado. Mas, em geral, elas superam muito mais: algumas dobram ou triplicam de preço em três anos.

Segundo a pesquisa, 10% das empresas que abrem capital obtêm, em três anos, um retorno médio ajustado ao mercado acima de 300% (linha verde escuro).

Outros 10% das companhias têm ganhos ajustados de 75%.

Em resumo: é arriscado, pode dar bem errado. Mas, se der certo, pode dar muito certo, pelo estágio inicial dos negócios e o alto potencial de valorização. Mas, atenção: são investimentos de alto risco, que têm muita volatilidade e exigem muita pesquisa e cautela do investidor.

ETFs de IPO

Hoje, há nove ETFs de IPO negociados nas bolsas americanas, com US$ 548,62 sob gestão, segundo a plataforma ETF.com. A taxa de administração média desses ETFs é de 0,59% ao ano.

Renassaince IPO ETF ($IPO)

É o maior ETF de IPO, da Renassaince Capital, com US$ 250,7 milhões sob gestão. A taxa de administração é de 0,60% ao ano. O fundo compra as ações em até 90 dias depois do IPO e as vende dois anos depois.

Desde o seu lançamento em 2009, esse ETF teve um retorno médio de 18,1% ao ano, segundo a Forbes.

Mas, olha aí a volatilidade de que falamos: no ano, o ETF acumula queda de 21,65%.

Invesco S&P Spin-Off ETF ($CSD)

ETF da Invesco, tem US$ 67,28 milhões sob gestão e taxa de administração de 0,65% ao ano. Ele investe em empresas spin-off, ou seja, companhias que se desmembraram de uma controladora maior em até quatro anos. Em 2022, acumula perda de 4,79%.

Takeaway

Os ETFs de IPO como um todo estão no vermelho neste ano, acompanhando a queda das bolsas americanas, com as tensões globais e a expectativa de alta dos juros nos Estados Unidos – que favorece investimentos mais conservadores em vez de aplicações de risco.

Veja no gráfico abaixo um levantamento que fizemos sobre o desempenho dessa classe de ativos em 2022:

Fonte: SproutFi com dados da plataforma ETF.com

-

Compartilhe esse conteúdo com quem vai curtir saber mais sobre o mercado de ações nos Estados Unidos! E entre para a primeira comunidade de investimentos da América Latina! É só baixar o app SproutFi!

Disclaim: lembre-se de que as informações fornecidas aqui são para fins educacionais e não devem ser consideradas como aconselhamento jurídico, tributário ou de investimento. Consulte um advogado ou um profissional da área sobre a sua situação específica.