Mais de mil empresas abriram capital nos EUA em 2021; veja os IPOs mais bem-sucedidos

Confira as 5 empresas que mais se valorizaram nas bolsas americanas neste ano. E mais: as brasileiras que abriram capital nos EUA em 2021.

Foi (mais um) ano intenso, né? Quando olhamos para o mercado de ações dos Estados Unidos, foi intenso de forma positiva - e até surpreendente.  

Mais de mil empresas abriram capital nas bolsas de valores dos Estados Unidos, segundo a plataforma Stock Analysis (até 17/dez).

O número é um recorde disparado na história do mercado acionário americano. Representa mais do que o dobro dos IPOs (Initial Public Offering, na sigla em inglês) registrados em 2020. Aumento de 118%.

O que causou o boom de IPOs?

A enxurrada de debutantes em bolsa dos Estados Unidos é explicada pela taxa de juros nos EUA, que está praticamente nula e estacionada. Juros baixos estimulam o consumo e a produção das empresas.  

Com mais vendas, o lucro das companhias cresce, abrindo espaço para mais investimentos – o que pode incentivar a abertura de capital.

Já pelo lado do investidor, recorrer à bolsa é uma forma de buscar retornos mais atrativos do que a renda fixa – pouco vantajosa em tempos de juros baixos.

Outro fator é a alta liquidez, ou seja, dinheiro disponível na praça – principalmente por causa dos estímulos do governo para enfrentar a pandemia de Covid.  

Por fim, tem as startups. Houve um boom das chamadas SPACs (Special Purpose Acquisition Company, na sigla em inglês). Esse modelo de empresa funciona como uma sociedade: não tem operações comerciais e entra na bolsa com o único propósito de levantar dinheiro para a aquisição de startups ou outras empresas de capital fechado com alto potencial de valorização. É quase um “cheque em branco” que os acionistas dão para a empresa.

Essas operações arrecadaram mais de US$ 80 bilhões em 2020. E têm sido responsáveis pela maior parte do crescimentos dos IPOs nos EUA.

Agora vamos ver quem é que entrou na bolsa com o pé direito de verdade. Confira abaixo os melhores IPOs de 2021.

Os 5 IPOs mais bem-sucedidos de 2021

Digital World Acquisition Corp. ($DWAC)

Valorização até 02/12: 371%

Essa empresa é uma SPAC, criada em dezembro de 2020 e que abriu capital em setembro de 2021. Em outubro, ela fez um acordo de fusão com a Trump Media & Technology, do ex-presidente Donald Trump. Ele planeja usar a DWAC para montar uma empresa de tecnologia com foco em mídia social e streaming. Planeja até criar uma rede social própria, batizada de Truth Social, como alternativa ao Facebook, Twitter e YouTube, plataformas das quais Trump foi banido.

Só que esse plano de fusão está sendo investigado pela SEC, que é a CVM dos Estados Unidos – ou seja, o “xerife” do mercado financeiro. As duas empresas (DWAC e TMTG) anunciaram que um grupo de investidores institucionais se comprometeu a contribuir com US$ 1 bilhão para a operação. Mas elas não especificaram a identidade dos investidores no documento apresentado à bolsa de valores.  

A SEC está investigando detalhes sobre as reuniões do conselho, os procedimentos de corretagem, as identidades dos investidores e as negociações com a empresa de Trump.

ZIM Integrated Shipping Services ($ZIM)

Valorização até 02/12: 265%

A ZIM é uma empresa de transporte marítimo de contêineres com sede em Israel. Ela opera nas principais rotas comerciais do mundo, com serviços de transporte marítimo e de logística. E uma curiosidade de estratégia: a ZIM opera 88 embarcações, mas possui, de fato, apenas um. É como se fosse um "Airbnb" de navios.

A empresa abriu capital num momento bem desafiador para a indústria de transporte marítimo global: o pico na demanda por produtos, em função da pandemia. Congestionamentos nos portos causaram atrasos em remessas por toda a cadeia global de abastecimento.

A ZIM aproveitou essa oportunidade para se apresentar como uma empresa ágil e flexível nesse mercado. Ela entrou na bolsa em janeiro e, em março, registrou o maior lucro em seus 75 anos de história.  

Adagio Therapeutics Inc. ($ADGI)

Valorização até 02/12: 173%

A Adagio Therapeutics é uma empresa biofarmacêutica focada em soluções baseadas em anticorpos para doenças infecciosas com potencial pandêmico (e aí você já entendeu por que ela está nesta lista). Foi fundada em 2020, com foco inicial, claro, no novo coronavírus.

O principal produto da Adagio é ADG20, para prevenção contra a Covid-19 e tratamento pós-infecção. Os testes clínicos iniciaram em fevereiro.

A empresa entrou na bolsa em agosto e ainda não gerou receita, segundo informou a SEC em setembro.

Roblox Corp. ($RBLX)

Valorização até 02/12: 159%

A Roblox é uma empresa de entretenimento e comunicação, e tem uma plataforma de metaverso (também faz sentido que esteja nessa lista, né?).

A “internet do futuro”, que está ganhando as atenções do mundo, já é a do presente na Roblox. A plataforma oferece experiências 3D imersivas. Os usuários interagem através de avatares. E não apenas jogam os diversos games disponíveis. Eles também são motivados a desenvolver jogos e ferramentas ali dentro.

E grandes marcas também quiseram entrar no mundo virtual da Roblox. A Nike ($NKE) acabou de lançar o seu metaverso dentro da Roblox, a Nikeland. E em maio, a Gucci vendeu uma bolsa virtual por quase R$ 22 mil na plataforma.

Além disso, a Roblox tem a sua própria moeda virtual. A criptomoeda Robux é usada para fazer compras dentro da plataforma - seja de ferramentas para os games, seja de tênis ou bolsas de grife…

Tudo isso posiciona a empresa como uma das maiores no mercado de metaverso, concorrendo com a Meta ($FB), antiga Facebook Inc. - que tomou a frente este ano no debate sobre o universo virtual - e com outras fortes competidoras.

Roblox prevê ascensão dos negócios com popularização e maior desenvolvimento do metaverso. Foto: Divulgação/Roblox

Em vez de um IPO propriamente dito, a Roblox abriu capital na bolsa de Nova York (NYSE) por meio de uma listagem direta – ou oferta pública direta (DPO). Dessa forma, as empresas emitem ações diretamente ao público, em vez de usar bancos ou corretoras como intermediários – o que barateia a operação.

Doximity Inc. ($DOCS)

Valorização até 02/12: 159%

Doximity atua em telemedicina - setor que teve crescimento exponencial na pandemia. A plataforma desenvolvida pela empresa permite que médicos colaborem com colegas, coordenem com segurança o atendimento ao paciente e façam até visitas médicas virtuais.

Hoje, quatro em cada cinco médicos dos Estados Unidos estão cadastrados na Doximity. 80% da receita da empresa vêm de publicidade de farmacêuticas e hospitais. A Doximity abriu capital em junho.

Agora que você já conheceu os cinco maiores IPOs de 2021, a gente te lembra de uma das máximas do mercado financeiro: rentabilidade passada não garante rentabilidade futura!

Então, não adianta só investir em uma empresa porque ela é a “bola da vez”. É preciso estudar bem a companhia e o mercado. Mas pode deixar que a Sprout te ajuda nessa empreitada :)

IPO de empresas brasileiras nos EUA

Em 2021, cinco empresas brasileiras abriram capital nos Estados Unidos. Foi recorde!

E mais companhias planejam o mesmo caminho. Depois de três anos, o banco Inter surpreendeu o mercado ao anunciar que está de malas prontas pra deixar a B3. O destino? Nova York, na NYSE ou Nasdaq.

O banco digital não é o primeiro a fazer esse caminho. Em abril, Lojas Americanas e a B2W anunciaram uma reestruturação nos negócios, que também prevê listagem em bolsa americana.

Veja as empresas brasileiras que fizeram IPOs nos EUA:

  • Vtex ($VTEX), gigante do e-commerce;
  • Vinci Partners ($VINP), gestora criada por ex-sócios do BTG;  
  • Zenvia ($ZENV), provedora oficial do WhatsApp;
  • Patria Investments ($PAX), gestora de investimentos;
  • Nubank ($NU); banco digital.

Veja quanto cada empresa brasileira levantou no IPO nos EUA

- Patria Investments: US$ 512 milhões

- Vtex: US$ 361 milhões

- Vinci Partners: US$ 250 milhões

- Zenvia: US$ 150 milhões

- Nubank: US$ 2,6 bilhões

Observou algo em comum entre elas? São empresas financeiras ou empresas de tecnologia - ou as duas coisas juntas, ou seja, fintechs.

São setores que merecem o seu olhar atento como investidor. Por isso, continue acompanhando os conteúdos da Sprout!

DISCLAIMER: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.