Web 3.0: entenda tudo sobre o assunto do momento

O que é Web 3.0? Quando surgiu? Um breve resumo com o que você precisa saber sobre essa tecnologia.

A web surgiu em meados de 1990. A palavra em inglês significa rede, teia. E originou o “www - sigla para World Wide Web, a rede mundial de computadores. 

A versão 1.0 era de websites com conteúdos estáticos. Havia métodos de buscas nas páginas, mas eram bem mais simples do que hoje. Além disso, era possível inserir links recomendados. Mas não tinha interatividade, ou seja, os usuários eram leitores passivos.

A web 1.0 trouxe também um maior uso de e-mails - inclusive, fez com que o período ficasse conhecido como a “era do e-mail”.

Por volta de 2004, avanços técnicos levaram a web para a versão 2.0. Um dos grandes nomes dessa fase é o especialista Tim O’Reilly. A web 2.0 possibilitou formas de interação com os leitores, novo design das páginas, e novas ferramentas para execução dos sites. Foi quando surgiram os blogs e a Wikipedia, e os usuários se tornaram, então, produtores ativos de conteúdos. Foi o início das redes sociais e mídias participativas, já que as pessoas passaram a compartilhar conteúdos com os outros internautas.

Por tudo isso, a web 2.0 trouxe o conceito de “web como plataforma”. Mas a mudança da web 1.0 para a 2.0 não é considerada um grande avanço tecnológico. Isso porque algumas dessas modificações técnicas já existiam desde o início do “www".

O pulo para a web 3.0 aconteceu a partir de uma classificação feita pelo jornalista John Markoff, do New York Times, que denominou a nova fase como “web inteligente”. Ele baseou a análise no salto que ocorreu em interatividade. A web 3.0 possibilitou um novo formato da personalização do conteúdo, com uso de buscadores mais avançados, que permitiram identificar as preferências dos usuários, filtrando os resultados das pesquisas mais relevantes.

Ou seja, começou um uso realmente mais inteligente da web. A máquinas da rede mundial de computadores passaram a interagir melhor, permitindo aplicações mais complexas, com personalização da navegação e publicidade direcionada.

Web 3.0 para cripto

A web 3.0 promete revolucionar o mundo das criptomoedas, basicamente porque dá mais poder aos usuários e desenvolvedores de software. Uma das tecnologias responsáveis por isso é a blockchain. Com ela, a web 3.0 cria a base, por exemplo, do metaverso, e torna mais ágil e fácil a compra e a venda de criptoativos. Isso impacta positivamente toda a infraestrutura de redes de criptoativos, porque permite o desenvolvimento de plataformas de redes sociais, marketplaces e outras funcionalidades no ambiente descentralizado de cripto.

Assim, os tokens que tiverem maior adaptabilidade à tecnologia do web 3.0 poderão dar aos investidores um maior potencial funcional nessa "internet do futuro", especialmente ao impactar o staking de forma positiva.

Portanto, a web 3.0 promete impulsionar as DeFis, ao permitir um fluxo maior de transações financeiras, em razão de o dinheiro se tornar imanente às redes.

-

Disclaim: lembre-se de que as informações fornecidas aqui são para fins educacionais e não devem ser consideradas como aconselhamento jurídico, tributário ou de investimento. Consulte um advogado ou um profissional da área sobre a sua situação específica.