Os recordes de GAFAM

Uma das siglas mais desejadas dos investidores. E faz sentido. Os resultados do segundo trimestre do quinteto de gigantes surpreenderam. De novo.

Você já conhece GAFAM. Estão presentes no seu dia a dia, da hora em que acorda, até a hora de ir dormir. E também durante o seu sono. 

Google ($GOOGL), Apple ($AAPL), Facebook ($FB), Amazon ($AMZN) e Microsoft ($MSFT) nos conhecem intimamente, cada vez mais. E, com isso, atingem resultados cada vez melhores. Está na hora de você conhecê-las melhor. 

Todas tiveram crescimento no segundo trimestre (Q2, sigla em inglês para Quarter 2). 

A Amazon registrou recorde de vendas líquidas entre abril e junho: $113 bilhões, 27% de crescimento em relação ao segundo trimestre de 2020. 

Ótimo, mas nem tanto? 

O mercado tinha projetado números ainda maiores. O encolhimento se deu no e-commerce, mas acabou compensado pela receita com publicidade e os serviços de nuvem. 

A empresa justificou a queda nas vendas online devido aos números gigantescos e incomuns registrados no ano passado, em função do isolamento na pandemia. 

Seria como dizer que a comparação é “injusta”, já que o 2020 foi atípico, com o e commerce disparando freneticamente. Mas os investidores são exigentes e as ações da Amazon caíram depois do anúncio dos números.

Um pouco de retração também para Facebook e Apple no Q2, igualmente justificada pelas empresas pelos últimos 15 meses de crescimento abrupto - difícil de ser mantido para sempre.

Desânimo no mercado, mas comemoração nos escritórios (ou home office). Os lucros do quinteto mágico no Q2 voaram:

Gráfico sobre GAFAM
Fonte: Statista


E as ações das big techs se consolidam nas alturas. De março/2020 até agora, vimos isso: 

Alphabet (Google): 111,30% 
Apple: 104,47%
Facebook: 99,96%
Amazon: 75,89%
Microsoft: 77,05%

-

DISCLAIMER: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.