É melhor comprar BDR ou investir diretamente nos EUA?

Investir em empresas estrangeiras é essencial para diversificar a carteira, garantir proteção contra instabilidades no país e ter a chance de uma rentabilidade maior. Entenda como fazer isso da melhor forma. Ao contrário do que muita gente pode estar pensando, não é através de BDR.

Diversificar os investimentos ameniza possíveis perdas e protege seu patrimônio das oscilações do mercado. Uma das formas de fazer isso - e que tem se popularizado - é através da compra de ações no mercado de capitais.

Essa alternativa de investimento abre possibilidades de ganhar mais dinheiro. Mas para otimizá-la, é fundamental considerar ações de companhias estrangeiras.

Por que investir no exterior?

Existem alguns benefícios de investir em empresas estrangeiras. Veja alguns deles:

  • Proteger o patrimônio quando o dólar está alto;
  • Ganhar dinheiro com a alta do dólar;
  • Ter uma proteção extra caso a economia do país tenha um desempenho ruim;
  • Diversificar os investimentos.

Como investir no exterior?

Atualmente, os brasileiros têm duas formas de investir no exterior: comprando BDRs (Brazilian Depositary Receipts) ou investindo em ações diretamente nos Estados Unidos.

À primeira vista, investir em BDRs pode parecer mais simples, já que você pode fazer isso diretamente pelo site de uma corretora brasileira. No entanto, essa não é a melhor opção para quem quer realmente diversificar os investimentos e se proteger do risco Brasil, e vamos mostrar por quê. Mas primeiro, entenda o que é um BDR.

O que é BDR?

BDR é um certificado, também conhecido como recibo, de ações emitidas por empresas de outros países. 

Esses certificados são negociados na bolsa brasileira, a B3, como ações comuns. Mas para que esses papéis possam chegar à mesa de negociações, é preciso que uma instituição depositária, que normalmente é um banco, compre as ações diretamente no exterior e emita recibos, que serão vendidos para os brasileiros. Os BDRs são esses recibos.

Sendo assim, quem adquire esse papel não é dono de uma ação, mas de um recibo que representa aquela ação.

Os BDRs podem ser patrocinados, ou seja, a empresa emissora das ações contrata uma instituição depositária para emitir os recibos dos ativos. Esses BDRs podem ser divididos em três categorias:

BDR nível I 

Esse papel não precisa ser registrado na Comissão de Valores Mobiliários (órgão responsável por regulamentar e fiscalizar o Mercado de Valores Mobiliários no Brasil). No entanto, esse ativo só pode ser negociado nos mercados de balcão ou em setores específicos dentro da B3.

BDRs níveis II e III 

As empresas que emitem as ações que dão origem a esses papéis precisam obter registro na Comissão de Valores Mobiliários. Contudo, esses ativos podem ser negociados normalmente na bolsa, sem precisarem integrar um segmento específico.

A diferença entre esses dois tipos de BDRs é que os papéis nível III podem ser negociados simultaneamente no Brasil e em outro país.

Não patrocinado

A maioria dos BDRs negociados na bolsa brasileira pertencem à categoria de não patrocinado. Sendo assim, a empresa responsável pela emissão das ações não está envolvida com a instituição depositária que emite os recibos. Esses papéis são negociados da mesma forma que os BDRs patrocinados nível I.

Investir diretamente nos EUA

Apesar de ser fácil para um brasileiro comprar BDRs, investir diretamente na bolsa americana é muito mais vantajoso. 

Isso porque quem compra ativos diretamente nos EUA tem muito mais opções do que quem investe em BDR. As bolsas americanas possuem mais de quatro mil empresas listadas, enquanto no Brasil são negociados cerca de 700 BDRs.

Além disso, nem sempre um BDR vai corresponder a uma ação. Para ter o equivalente a uma ação da Google, por exemplo, é preciso adquirir 25 BDRs.

Taxa para investir em BDR

Quem compra BDRs e recebe dividendos precisa pagar uma taxa para a instituição depositária, que varia de 3% a 5%. Sendo assim, quem investe dessa forma acaba recebendo uma quantia menor do lucro que foi pago pela empresa emissora da ação.

Outra desvantagem de investir em BDR é que esse ativo não tem muita liquidez no mercado brasileiro. Ou seja, pode ser difícil comprar e vender esse papel. Por isso, se você precisar se desfazer dos seus BDRs, pode ser que você não consiga fazer isso na velocidade que deseja. 

Já as ações negociadas diretamente na bolsa americana têm uma liquidez muito maior. Dessa forma, você consegue comprar ou vender esses papéis sem dificuldade.

Além disso, ainda existem outros pontos negativos em relação ao investimento em BDRs, que são:

  • Quem investe nesse ativo não está totalmente protegido do risco Brasil, já que os papéis são custodiados por uma instituição brasileira;
  • Quem compra BDR paga mais imposto do que aqueles que adquirem ações diretamente nos EUA;
  • O investidor não tem acesso direto à ação.

Assim, é possível perceber que é melhor investir diretamente nos EUA do que comprar BDRs. Além disso, adquirir papéis diretamente no exterior está cada dia mais fácil, e também já há plataformas em português que auxiliam o investidor a entrar no mercado de capitais americano.

-

DISCLAIMER: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.