Entenda o Ethereum

Há muitas recomendações sobre tendências de investimentos para 2022. O Ethereum está entre elas. Mas o que é o Ethereum, afinal? E qual o seu verdadeiro potencial? Quem explica é o Guilherme Lima, expert em cripto, e embaixador da SproutFi.

Criado em 2013 pelo russo naturalizado canadense, Vitalik Buterin, o Ethereum é uma rede de blockchain. Explicando de uma forma simples, o blockchain é uma tecnologia que possibilita a validação de transações – uma transferência de dinheiro entre duas pessoas, por exemplo. 

Quando você envia dinheiro para outra pessoa dentro do Ethereum, um número hash é criado. O hash é uma palavra-chave que contém uma identificação da sua transação codificada de maneira complexa – de modo que ninguém possa forjar ou falsificar essa transação, nem você mesmo. Os hashs são, então, armazenados em blocos, que, alinhados em série, formam uma corrente - por isso, blockchain.

Além do blockchain Ethereum, existem muitos outros, como Bitcoin, Polygon, Avalanche, que funcionam de forma similar.

Então, o que diferencia Ethereum dessas outras redes?

Bem, a grande inovação dessa rede blockchain é que, além de fazer transações de dinheiro, ela é completamente programável.

Dessa forma, podemos pensar em Ethereum como um grande computador descentralizado. O Ethereum é um blockchain aberto (open-source) e programável. Isto é, qualquer pessoa pode utilizá-lo para desenvolver aplicações – no mundo crypto, conhecidas como dApps, ou aplicativos descentralizados (do inglês, decentralized apps). Pense em uma grande Appstore ou Play Store em que qualquer desenvolvedor pode criar seus próprios aplicativos e disponibilizá-los para uma audiência mundial. 

Esses aplicativos descentralizados (dApps) são desenvolvidos sobre a rede Ethereum por pessoas de todas as partes do mundo. Desde transações,  seguros,  corretoras decentralizadas, até os NFTs que estão muito populares. 

A inovação é constante porque a todo momento são descobertas novas extensões de como a tecnologia pode ser utilizada. O seu valor é que não há ninguém que sinalize o que deve ou não ser construído utilizando a rede. E  os limites do que pode ser feito são constantemente ultrapassados – chegando a surpreender o próprio criador do Ethereum. 

Todas essas novas aplicações dentro da rede funcionam com o uso da moeda da rede Ethereum, o Ether (ETH ou Ξ). Pela similaridade entre os nomes, aqui há uma confusão muito comum.

Qual a diferença entre Ethereum e Ether?

Toda rede de blockchain tem uma moeda nativa. Acontece que, em alguns casos, como o do Bitcoin, os dois têm o mesmo nome. O Bitcoin tem uma rede blockchain, chamada Bitcoin, e uma moeda, também chamada Bitcoin. Já o Ethereum é uma rede, que opera com amoeda Ether. 

Quando alguém diz que está “comprando” ou investindo em Ethereum, geralmente quer dizer que esta pessoa está comprando a moeda Ether. 

O Ether é como a gasolina do Ethereum. Todas as aplicações descentralizadas (dApps) precisam de ether para serem executadas. Para cada transação feita dentro da rede, é cobrada uma taxa do usuário. Esse é o valor de comprar essas moedas, porque o uso delas está totalmente atrelado ao futuro da rede Ethereum. 

Qual o futuro do Ethereum?

Basta olhar o passado da rede e da moeda para ver a ascensão do seu uso e valor. O Ethereum teve uma ascensão radical em relevância nos últimos anos, mas será que isso permanecerá com o passar do tempo?

É impossível dizer. Mas podemos analisar o que a parte tecnológica da rede espera. 

É previsto que, ainda em 2022, uma nova atualização seja feita na rede. Essa atualização, conhecida como Ethereum 2.0 (ou ETH2), proporcionará uma eficiência muito maior na rede, acarretando em taxas muito menores. 

No entanto, a atualização está severamente atrasada. Seu prazo inicial era 2014, no ano seguinte à fundação de Ethereum. O atraso é justificado pelo criador como uma decorrência da complexidade que a rede passou a ter. 

No caso  de uma atualização, a rede Ethereum e aplicativos criados sob ela estariam em franca vantagem frente a outros aplicativos descentralizados. Hoje, a rede Ethereum comporta mais de 113 milhões de Ethers em circulação. 

-

DISCLAIM: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.