A Black Friday e os seus investimentos

O tradicional dia dos preços baixos é bom não só pra fazer compras com desconto. Você pode olhar além das prateleiras e descobrir boas oportunidades para investir em ações. Conheça quais empresas mais devem lucrar.

O que é a Black Friday?

Talvez tenhamos colocado uma pergunta óbvia, né? A data, criada nos Estados Unidos, já ganhou o mundo há um bom tempo.

A Black Friday é o primeiro dia após o Dia de Ação de Graças, tradição norte-americana. E passou a ser explorada como uma data comercial. Em diversos países, acabou se tornando uma das mais importantes do varejo.

Por isso, inclusive, é o setor do varejo que apresenta os melhores resultados na semana que precede a Black Friday e na semana seguinte, nos Estados Unidos. Como destaca a Investopedia: "de 2007 a 2017, um agrupamento de ações de varejo do S&P 500 apresentou retorno de 5% em comparação com o retorno médio de 3% do S&P 500 naquele período. (…) A tendência continuou com o S&P 500 Retailing Industry Group superando o S&P 500 em 1,5% e 0,1% nos mesmos 10 dias em 2018 e 2019, respectivamente. Esse padrão não continuou em 2020, quando o S&P 500 retornou 4,1%, e o grupo da indústria de varejo retornou apenas 2,2%.”

Veremos o que sairá deste ano.

Empresas que devem se destacar na Black Friday

Enquanto milhões de pessoas ficam de olho nos preços riscados e descontos chamativos, os investidores miram no resultado das empresas. E você também pode fazer isso.

Os itens mais comprados, em geral, são eletrônicos e brinquedos, segundo dados do portal blackfriday.com.

Por isso, trazemos aqui as principais ações das chamadas "tecnologias de consumo e de serivço”, de acordo com levantamento da Nasdaq (out/21):

  • Paypal ($PYPL): empresa que oferece serviços de pagamentos online. Foi criada em 1998 por Peter Thiel e Max Levchin, e é considerada a primeira fintech do mundo.
  • Alphabet ($GOOGL): dona da Google, está na lista porque, como pontua a Nasdaq, alguns dos maiores nomes da indústria tecnológica estão envolvidos com tecnologia de consumo de alguma forma.
  • Visa ($V): multinacional de serviços financeiros que, como praticamente todas do setor, estão digitalizando os serviços cada vez mais.
  • Amazon.com Inc. ($AMZN): gigante mundial de e-commerce (e muitas outras coisas, como inteligência artificial e streaming). A empresa de Jeff Bezos tem um portfólio de produtos imenso. E se já é agressiva nas vendas todos os dias do ano, imagine na Black Friday.
  • Uber Technologies Inc. ($UBER): se encaixa na categoria de tecnologia de serviços, porque, como você já sabe, trabalha com transporte por aplicativo. A Uber tem hoje ampla atuação. Além de transportar passageiros, faz transporte de mercadorias (Uber Flash) e entrega de alimentos (Uber Eats). Oferece pacotes de assinatura e planos empresariais. Tem mais de 100 milhões de usuários ativos, em quase dez mil cidades, em mais de 70 países.
  • Microsoft Corporation ($MSFT): um "titã tecnológico”, como caracteriza a Nasdaq. Fabrica computadores, softwares e muitos outros produtos eletrônicos de consumo.
  • Square Inc. ($SQ): fintech da Califórnia que oferece serviços de pagamentos digitais. Cresceu na pandemia e continua voando. Em agosto, registrou crescimento de 143% nas receitas em relação ao mesmo mês do ano passado.

Quando se trata de comportamento do consumidor, nada  pode ser previsto com muita certeza. Mesmo que a Black Friday seja convidativa para as compras e venha mostrando resultados positivos ao longo dos anos, há muitas variáveis para determinar o sucesso da data. De qualquer maneira, o histórico desenha boas expectativas.

-

DISCLAIMER: Importante lembrar que em qualquer investimento denominado em moeda estrangeira, as mudanças nas taxas de câmbio podem ter um efeito adverso no valor, no preço ou na receita de dividendos desse investimento. Mesmo que a diversificação possa ajudar a diluir o risco, ela não garante lucros ou proteção contra perdas. Há sempre a possibilidade de perder dinheiro quando você investe em qualquer produto financeiro. Por isso, considere cuidadosamente seus objetivos e riscos antes de optar por qualquer investimento.